sexta-feira, 26 de setembro de 2014

ES: Dentista denuncia secretário de saúde por assédio sexual

Um processo administrativo foi aberto pela Prefeitura do município de Itapemirim, no Sul do Espírito Santo, para apurar um possível caso de assédio sexual praticado pelo secretário de saúde da cidade, Alex Wingler Lucas, contra uma dentista que trabalha em um hospital conveniado ao município.
Do G1 ES, com informações de A Gazeta

Cópias das mensagens enviadas pelo celular, supostamente pelo secretário, mostram propostas e convites de teor sexual sendo feitos à vítima. Por telefone, o secretário disse que as mensagens foram "forjadas". A Procuradoria Geral do Município informou que a vítima já foi ouvida e que o secretário deve prestar depoimento no dia 1º de outubro.

O caso teria acontecido no dia 1º de julho. A dentista registrou boletim de ocorrência na polícia contra o secretário. Segundo ela, Alex Wingler enviava mensagens com teor sexual enquanto colocava o contrato de emprego que ela tem no Hospital Evangélico sob ameaça.

Nas mensagens supostamente enviadas pelo secretário, propostas de atividades sexuais são seguidas de mensagens sobre o cargo que a dentista ocupava no hospital. Cópias das mensagens anexadas ao processo mostram insistência por parte do secretário. Em uma das mensagens, após uma “investida” por parte do secretário, a dentista responde “Como assim, doutor? Não estou entendendo”.

Em entrevista ao Jornal A Gazeta, a vítima disse que chegou a ignorar as mensagens, mas que o secretário insistiu. "Apaguei as primeiras mensagens porque não levei em consideração isso tudo, mas ele continuou a mandar mensagens. Eu ignorei mas ele continuou", disse.

Ela também contou que o homem a acusou de não “cumprir funções”. "Ele falava que eu não cumpria com minhas funções. Como eu não cumpro com minhas funções se meu ponto é digital e meus prontuários estão todos aqui? Até mesmo se eu não trabalhasse seria descontado do meu salário", desabafou.

A Gazeta entrou em contato com o secretário (através do número de celular de onde partiram as mensagens com teor sexual), e, por telefone, ele disse que conhece a funcionária, mas não exerce comando direto sobre ela, nem tem qualquer gerência em relação ao cargo da dentista. "Nem sei da onde ela é. Parece que ela é do Hospital Evangélico, mas eu não sei", alegou.

O secretario nega também que existam mensagens com teor sexual. "Essas mensagens foram forjadas. Existem coisas políticas por trás dessa questão. Tem uma pessoa que tem interesse de ser secretário de saúde. Não consegui entender as intenções dela. Tenho tanta tranquilidade nisso que pedi para a operadora todas as mensagens trocadas com essa mulher", informou Alex.

De acordo com os boletins de ocorrência e cópia do processo que a reportagem teve acesso, ainda existe uma medida protetiva da dentista contra o secretário. "Pedi na Justiça essa medida protetiva. Não aguento mais. Estou muito triste, chorando bastante, porque ele fala o que ele quer, mas quem tem as provas sou eu. Estou constrangida, sofrendo pressão. Não tenho nada com ele, nunca tive", disse.

(fonte, acesso em 26/09/2014)

Nenhum comentário:

Postar um comentário