sexta-feira, 12 de setembro de 2014

SP: Pesquisa prova que trabalhar no HSBC adoece

Dos 1.587 processos ajuizados por ex-empregados do HSBC, entre 2011 e 2013, em 52% há reclamação de assédio moral organizacional. Esta é apenas uma das constatações de uma pesquisa realizada pelo Instituto Declara, em parceria com o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região.

Os primeiros resultados do levantamento, que está em fase de conclusão, foram divulgados durante o Seminário Métodos de Gestão e Adoecimento dos Trabalhadores, que ocorreu em Curitiba, nos dias 07 e 08 de agosto. Com caráter interdisciplinar, o evento contou com a participação de médicos do trabalho, advogados, juristas e acadêmicos, além de dirigentes sindicais bancários, e debateu uma variedade de temas relacionados ao mundo do trabalho.

O presidente do Instituto, o advogado e professor Wilson Ramos Filho (Xixo), foi o responsável pela apresentação das primeiras conclusões do estudo que avaliou todos os 1.587 processos movidos contra o banco nos anos de 2011 a 2013. A pesquisa também analisou 3.905 homologações de rescisões que constam nos arquivos do Sindicato, desde 2008 até 2013.

“Após quase seis meses de análise, um trabalho hercúleo, identificamos que em 56% das ações há pleito de dano moral, além disso, 52,4% do total de ações têm pedido de dano moral por assédio organizacional”, avalia Xixo.

Nas homologações, constatou-se que em 40% dos casos o trabalhador informou que tinha problemas de saúde e, deste percentual, 52% relatava ter como origem o estresse e 38% identificava como depressão.

“Esta pesquisa demonstra com dados, de maneira científica, que trabalhar no HSBC causa adoecimento. Assim como nas empresas que pagam adicional de insalubridade nem todos os empregados ficam doentes, embora expostos à agentes prejudiciais à saúde, nos bancos nem todos os empregados adoecem por causa dos métodos de gestão, mas todos os bancários estão expostos a risco. Na categoria bancária está comprovado: trabalhar em bancos faz mal à saúde do trabalhador”, enfatizou.

De acordo com o professor, a pesquisa ainda está em fase de conclusão e logo deverá ser publicada e tornada de conhecimento público.

Assédio moral organizacional – Durante a sua palestra, o presidente do Instituto Declatra elencou os três tipos de assédio moral. O primeiro e mais conhecido, o assédio perverso, é quando uma pessoa passa a atingir a subjetividade de outra, tentando destruí-la. O segundo é o assédio estratégico, que notabiliza-se pela intenção clara de afastar o trabalhador, normalmente com estabilidade de emprego em virtude ser um dirigente sindical ou retornando de uma licença de saúde. “Mas estes dois representam a menor quantidade de casos, são residuais e juntos somam 5%”, assegurou.

O terceiro deles e mais aplicado é o assédio moral organizacional. Ele funciona em cadeia, com a cobrança sendo generalizada, passando de metas definidas pelo Conselho de Administração que atinge todos os funcionários da empresa. “Nesta cadeia a cobrança faz com que todo mundo seja atingido no meio do caminho, todo mundo vai ficando doente. Alguns com problemas psicológicos e outros com problemas físicos”, observou.

O advogado destaca que a partir da década de 1990, no Brasil, novos métodos de gestão ganharam destaque: a valorização do desenvolvimento individual (como se cada um fosse responsável pelo seu próprio emprego); a gestão projeto a projeto; as avaliações individuais de desempenho; a aferição métrica da qualidade total dos produtos e serviços (com foco no cliente); a remuneração variável (com base em metas); mecanismos horizontalizados de gerência; e vigilância permanente. “Tudo isso resultou na percepção do assédio moral que adoece, como no caso do HSBC”, resumiu o advogado.

Saúde – Ainda durante o painel “Métodos de gestão e a saúde do trabalhador”, o médico e professor da USP Laerte Idal Sznelwar falou sobre o trabalho como um mecanismo que deveria promover a dignidade e o desenvolvimento do ser humano. Contudo, acaba tornando-se um instrumento de desilusão e, muitas vezes, de adoecimento em virtude dos métodos de gestão adotados pelas empresas e até mesmo órgãos públicos.

O médico também criticou os métodos de gestão, falando sobre a indústria e suas operações padrão. Neste caso, costuma-se culpar o trabalhador por eventuais acidentes por não ter cumprido as regras estabelecidas, mas na avaliação de Sznelwar, se estes procedimentos forem cumpridos a linha de fabricação simplesmente não tem a mesma efetividade e o resultado, fatalmente, atingirá o trabalhador que não atingiu as metas.

O setor de serviços também foi criticado pela forma como estabelece as relações de trabalho. “Pelos métodos de gestão modernos, eu estou o tempo todo competindo com meu colega, buscando metas que tem um pseudo reconhecimento. Isso é interessante porque é uma desposseção da profissão”, explicou Sznelwar.

Nesta situação, pretende-se retirar da pessoa a possibilidade de se construir e também de auxiliar em uma construção coletiva. “É bem comum ouvir em certos tipos de trabalho que isso não é uma profissão, mas uma ocupação. Tudo que se refere a uma profissão é o que aprendemos durante o tempo, para o desenvolvimento como indivíduo e, eventualmente, uma ascensão na hierarquia, mas não é isso que importa. O que importa é o desenvolvimento profissional enquanto alguém que vai adquirindo mais experiência e competência”, finalizou.

Com informações do SEEB Curitiba.

(fonte, acesso em 12/09/2014)

Nenhum comentário:

Postar um comentário