quarta-feira, 27 de maio de 2015

Portugal: Sindicatos acusam BCP de perseguição a trabalhadores que recusaram rescisão

Cerca de 60 trabalhadores do BCP que recusaram a proposta de rescisão apresentada pelo banco foram transferidos para um novo serviço sem isenção de horário de trabalho. Sindicatos acusam banco de “assédio moral”, noticia o Público.

Por Jornal de Negócios Portugal

O BCP decidiu transferir para um novo serviço, a direcção de recuperação de crédito de baixos montantes, cerca de 60 trabalhadores que recusaram a proposta de rescisão de contrato de trabalho, a maioria dos quais deixou de ter direito a isenção de contrato de trabalho, revela o Público.

Esta medida é considerada ilegal pelos sindicatos bancários, que acusam o banco liderado por Nuno Amado de "assédio moral", até porque alguns dos trabalhadores em causa têm contratos individuais de trabalho que prevêem expressamente a isenção do horário de trabalho.

O BCP recusou prestar esclarecimentos ao Público. Já os sindicatos estão a ultimar diversas iniciativas para defender os trabalhadores afectados, 40 em Lisboa e 20 no Porto.

O presidente do Sindicato dos Bancários do Norte, Teixeira Guimarães, revelou ao diário que está em cima da mesa o pedido de intervenção da Autoridade para as Condições de Trabalho. "Os trabalhadores em causa praticamente não têm trabalho para fazer", lamentou o dirigente sindical, adiantando que esta situação "agrava o sentimento de acantonamento dos trabalhadores e constitui uma forme de pressão para que aceitem as rescisões de contrato ou as reformas antecipadas".

Também o Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas denuncia a situação no seu site, admitindo que possa "configurar assédio moral". A estrutura revela que na reunião que manteve com a Febase a 21 de Maio, a administração do banco admitiu "rever o valor das indemnizações por rescisão ou reforma, através de uma análise casuística".

(fonte, acesso em 27/05/2015)

Nenhum comentário:

Postar um comentário