quinta-feira, 18 de junho de 2015

Japão: Comissária de bordo processa JAL por assédio moral à gestante


Uma comissária de bordo entrou com um processo no Tribunal do Distrito de Tóquio contra a Japan Airlines (JAL), nesta última terça-feira (16/jun) exigindo uma indenização no valor de 3,4 milhões de ienes, por ter sido forçada a se desligar da empresa.

Por Portal MIE / FNN News


Jin’no Tomoko (40) solicitou uma transferência de trabalho em solo no mês de agosto do ano passado quando soube que estava grávida. O motivo seria fazer um trabalho que não fosse tão desgastante até o fim da gestação.

De acordo com Jin’no, ela foi vítima de “maternity harassment” pois a empresa alegou que não teria nenhum posto que ela pudesse ocupar e a forçou a se desligar da empresa.

No Japão o termo “maternity harassment” foi simplificado como “マタハラ”(matahara).

Jin’no disse em uma comitiva de imprensa que muitas companheiras de trabalho sofreram este mesmo tipo de assédio moral e, da mesma forma, foram forçadas a se desligarem da empresa.

(fonte, acesso em 18/06/2015)

Nenhum comentário:

Postar um comentário