quinta-feira, 18 de junho de 2015

SP: Guardas prometem fazer denúncias na polícia e MPE

Servidores da Gama (Guarda Armada Municipal de Americana) divulgaram ontem que vão recorrer ao MPE (Ministério Público Estadual) e à Polícia Civil na tentativa de evitar supostas demissões ou corte nos salários. Eles alegam que são vítimas de assédio moral e ameaça.

Por João Conrado Kneipp / Portal TodoDia

A decisão foi tomada após a reunião realizada sexta-feira na sede da Gama, na qual, segundo Rogério Vanzo, diretor do SSPMA (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Americana), eles foram informados pelo diretor, Marcos Guilherme, de que deveriam optar por redução de R$ 1 mil no salário-base e diminuição de 50% para 30% no percentual de periculosidade, ou ainda pela demissão de 120 guardas. Servidores ouvidos pela reportagem na ocasião também afirmaram que houve essas duas propostas.

A medida seria para reduzir a folha de pagamento da prefeitura. Apesar disso, o diretor afirmou ao TODODIA não haver qualquer proposta oficial.

Ontem, cerca de 20 guardas municipais foram até a CPJ para registrar BOs por ameaça e assédio moral, mas alegaram má vontade por parte da equipe da Polícia Civil. "Recebemos a informação que os delegados e escrivães estariam em reunião. Depois um escrivão nos atendeu e disse que isso seria comprar uma 'briga política' e que não estava orientado a fazer esse tipo de BO (...) Infelizmente houve má vontade", alegou um GM, que pediu para não ser identificado.

O servidor afirma que foi procurado pelo delegado Robson Gonçalves de Oliveira e foi orientado a registrar os BOs amanhã. "Ele disse que estaria de plantão na quarta e faria o BO para nós".

Os guardas foram também à Promotoria, onde pretendem protocolar uma representação contra a Gama na sexta-feira, alegando também ameaça e assédio moral. "Deixamos a promotoria ciente. Conversamos com uma promotora de plantão. Ela pediu para juntarmos todas as provas do assédio moral, nomes dos que estão se sentindo ameaçados, gravações e vídeos e enviar para o MP", ressaltou o servidor.

"Acho a decisão (de procurar a polícia e MPE) precipitada porque ninguém falou de mandar embora. Mas se eles estão agindo desse jeito devem ter as razões deles (...) Só que essa história, que vai mandar 120, 110 (embora), vocês (da imprensa) estão sabendo mais do que o prefeito. Eu não estou sabendo disso. E se eles fizeram BO, se acham que estão com a razão, tudo bem. Não tem problema nenhum", afirmou o prefeito Omar Najar (PMDB).

Na semana passada, o peemedebista disse que está sendo discutido somente o corte no percentual de periculosidade, de 50% para 30%.

A reportagem procurou Oliveira, que afirmou que a Assessoria de Imprensa da SSP (Secretaria de Segurança Pública do Estado) deveria ser contatada. Às 18h41, o órgão informou que não haveria tempo hábil para a resposta. O TODODIA também questionou o diretor da Gama, Marcos Guilherme, que pediu o envio de um e-mail para que respondesse apenas hoje.

(fonte, acesso em 18/06/2015)

Nenhum comentário:

Postar um comentário