quinta-feira, 8 de outubro de 2015

MG: Servidores do MPMG aderem à greve e denunciam assédio moral

Mais um órgão do Judiciário aderiu à greve e suspendeu suas atividades em protesto contra as más condições de trabalho. No dia 25 de setembro, o Sindicato dos Servidores do Ministério Público do Estado de Minas Gerais (Sindsemp) realizou uma Assembleia Geral Extraordinária, em Belo Horizonte. A reunião foi transmitida para as regionais do Sindicato e, pela maioria de votos, a categoria acabou por decretar greve desde ontem.

Por Jornal de Uberaba

Entre as reivindicações dos servidores, está a extinção das vagas para promoção por tempo de carreira, o reajuste anual (data-base), além de outros problemas, como o não pagamento de férias e horas extras.

Segundo apresentado, o procurador-geral de Justiça alegou não ter verbas para o pagamento dos servidores, nem para as despesas básicas, entretanto, eles demostraram insatisfação por conta dos promotores, que estariam recebendo seus salários e auxílios em dia.

Outro ponto divulgado seria, em nível estadual, a represália por parte de alguns promotores contra a greve dos servidores. Para o sindicato, a situação deve ser encarada como assédio moral. “Uma das ameaças envolve a avaliação anual de servidores, ocasião em que o promotor dá uma nota de 0 a 4 ao servidor, podendo dar nota baixa ao seu funcionário, com o intuito de prejudicá-lo na carreira futuramente”, declarou o sindicato, por meio de nota.

Uberaba foi uma das cidades destacadas. De acordo com as informações, casos de assédio moral foram denunciados e cerca de 50% dos servidores lotados na cidade já teriam confirmado a adesão ao movimento. Alguns grevistas foram até Belo Horizonte protestar na sede da Procuradoria Geral de Justiça de Minas Gerais. (SA)

(fonte, acesso em 08/10/2015)

Nenhum comentário:

Postar um comentário